História

Os integrantes do Coldplay se conheceram em 1996 na “University College London”, na qual o futuro vocalista da banda se formou em “Estudos do Mundo Antigo”. Chris Martin já conhecia Phil Harvey – hoje empresário do grupo – desde a infância e Jonny Buckland foi o primeiro que conheceu na faculdade. Logo depois, Guy Berryman e Will Champion se juntaram aos músicos. O baterista não tinha nenhuma experiência com o instrumento! Foi assim que nasceu a banda “Starfish”, o nome pelo qual a banda foi chamada em seu primeiro show em 1998. Foi Tim Crompton que sugeriu “Coldplay”, que veio de um livro de Philip Horky, “Child’s Reflections, Cold Play”.

Em 1998, além do primeiro show, o grupo lançou o seu primeiro trabalho: “Safety”, um EP com apenas três faixas. Depois disso, os membros conheceram Simon Williams, da gravadora “Fierce Panda”, que lançou o EP “Brothers & Sisters” e com mais cópias, crescia o interesse do público e músicas já tocavam nas rádios. Foi quando a atual gravadora internacional da banda, “Parlophone”, fechou contrato com os artistas em 1999, o que resultou em um terceiro EP: “The Blue Room”. Mais firmes no cenário musical, surgiu também o primeiro clipe da banda, da canção “Bigger Stronger”.

“Parachutes”, o álbum de estreia do Coldplay em formato tradicional, foi lançado em 10 de julho de 2000 e levou Chris, Jonny, Guy e Will para o mundo com grandes sucessos, incluindo “Yellow”, que chegou no topo das paradas musicais britânicas. Foi quando o grupo fez a primeira aparição televisiva no programa “Later With Jools Holland” e estampou a capa da importante revista “NME”. O paraquedas de fato aterrizou e o CD chegou ao posto de mais vendido no Reino Unido. Com o segundo disco, “A Rush Blood To The Head”, de 2002, foram milhões de cópias e isso era só o começo. Os integrantes saíram em turnê pelo mundo e já faziam fama na indústria musical e de entretenimento. O primeiro DVD, “Live 2003”, foi lançado e os primeiros “Grammys” chegaram.

Depois disso, mais álbuns e estádios lotados a cada turnê do Coldplay, que também continuou fazendo bonito nos mais importantes festivais de música do mundo. O “X&Y” rendeu belas críticas e em seguida, o disco “Viva La Vida Or Death All His Friends” deu aos fãs um verdadeiro hino. A canção “Viva La Vida” foi a primeira da banda a atingir o topo da “Billboard Hot 100” e venceu como “Música do Ano” no “Grammy Awards”, em 2009. Mais tarde, em 2011, foi a vez do “Mylo Xyloto” ser número um no Reino Unido. Sucesso de vendas em dezenas de países em discos físicos e digitais. Com palcos gigantescos e as famosas pulseiras “xylobands”, o DVD “Live 2012” foi lançado junto de um documentário. Em 2014, a banda voltou mais intimista. Com o disco “Ghost Stories”, sobre um coração partido, os músicos optaram por descartar uma turnê e fizeram pequenas apresentações do repertórios em poucos países, o que resultou na produção do belíssimo DVD “Live 2014”.

Foi o “A Head Full Of Dreams”, em 4 de dezembro de 2015, que levantou os ânimos de Chris Martin – renovado após um período pessoal mais difícil. De acordo com o vocalista, o sétimo álbum de estúdio do grupo representa o lugar que eles sempre sonharam em chegar e que a banda vive o seu melhor momento. Com a “A Head Full Of Dreams Tour”, o quarteto está rodando o mundo com otimismo e muitas cores. Em fevereiro de 2016, a banda se apresentou no importante “Super Bowl 50” com a principal mensagem que deseja transmitir: de amor e união. Estamos meio que nesse lugar onde sempre sonhamos estar em termos de música e estamos muito próximos no momento como um grupo de amigos. Somos agradecidos por ainda estarmos na banda e por fazermos coisas que sempre quisemos fazer. A verdade é que nós dividimos dinheiro e os créditos do trabalho porque é daí que surgem os problemas. Uma banda é sobre química, você não pode colocar um preço nisso”, declarou Chris.